Psicologia

psicologiaO câncer desencadeia no paciente e em sua família diferentes reações psíquicas, sendo o diagnóstico um momento crucial para o possível surgimento de diversos sintomas emocionais, dentre eles a depressão.

Na maioria das vezes, esses sintomas podem aparecer tanto no início da doença como após procedimentos cirúrgicos, ou ainda, até o prolongamento de todo o tratamento, onde em cada situação distinta o paciente se vê obrigado a fazer novas adaptações cotidianas.

A instabilidade emocional durante o tratamento se torna freqüente, podendo ocorrer alterações tanto do humor como do comportamento; sentindo-se angustiado, desmotivado, ansioso, sem controle de sua própria vida, e a partir daí desenvolver pensamentos fantasiosos de dor, sofrimento, morte ou cura.

Vale lembrar que essas reações são perfeitamente aceitas e muito comuns, no entanto, devem ser atenuadas pelo atendimento psicológico.

Sendo assim, a intervenção do psicólogo auxilia o paciente a elaborar esses aspectos, bem como, pode ainda, ter um olhar preventivo no âmbito de poder verificar se as crenças que esse paciente ostenta em relação à doença podem de alguma forma estar interferindo nos seus sentimentos e/ou comportamentos.

Junto aos familiares/cuidadores pode-se estar auxiliando com seus medos e angústias no que se refere ao entendimento da doença e suas conseqüências.

Esse período de doença pode ser entendido como um momento pelo qual pode-se aumentar o autoconhecimento, aprender com sintomas que são sentidos em seu corpo, e desenvolver-se como pessoa. Ou seja, uma forma de poder refazer-se plenamente e de maneira significativa, visando uma melhor qualidade de vida e melhor entendimento do adoecer, desde o diagnóstico ao fim do tratamento.

Nesse sentido, entende-se que quanto mais cedo for feita a intervenção, maior será a expectativa de recuperação emocional do paciente bem como de seu familiar/cuidador, possibilitando a aquisição de mecanismos psíquicos que facilitem o enfrentamento da doença com um menor nível de ansiedade.